O capitalismo que ninguém conhece

O capitalismo que ninguém conhece

Todos os dias escuto reclamações e acusações quanto ao sistema capitalista, a forma como empresários lidam com a vida de seus funcionários, a injustiça de se trabalhar por tão pouco e porque o governo não toma o que é de muitos para distribuir aos que tem pouco. Um radicalismo total de uma visão comunista.

Particularmente, não gosto de pessoas que pensam dessa forma. O fato de uma pessoa se colocar há um nível inferior para reclamar de sua situação atual não me deixa com pena, mas com vergonha. Vergonha de ver que a capacidade de construir é jogada fora. Acredito que todos possuem a capacidade física e intelectual de construir um patrimônio, ter condições dignas de viver e ser feliz.

Não acredito (e me critiquem se quiser) que pobreza é sinônimo de humildade, e nem tente discutir sobre questões religiosas e dinheiro, não caio em doutrinas religiosas. Sou adepto da visão de que colhemos o que plantamos, e que cada um faz sua própria sorte. Não acredito que você ou eu tivemos destinos diferentes porque Deus quis assim ou porque nossa sociedade criou nossos caminhos. Acredito que minhas decisões me levam para um caminho e suas decisões para outro.

São essas decisões que tornam nosso sistema injusto em algumas situações. Não porque o capitalismo é um sistema injusto, mas porque a ganância de algumas pessoas torna a sociedade injusta. Se pararmos para analisar, o sistema capitalista é muito mais justo do que o socialismo. Se você está se perguntando o porque disso, é simples: o capitalismo trás recompensas para quem se sobressai da média geral; já o socialismo recompensa a ineficiência daqueles que não correm atrás do sucesso.

Capitalismo selvagem

Me considero de direita. Isso por que acredito que as pessoas devem ser recompensadas por sua capacidade de construir. Obviamente não sou extremista, compreendo que determinadas situações sociais necessitam de intervenção governamental e que questões de extrema pobreza devem ser tratadas para evitar a carnificina capitalista. Mas a forma como vejo que isto deve ser tratada é totalmente diferente do que temos hoje.

A necessidade de desenvolver determinadas regiões não deveria partir do setor público, mas sim do setor privado. Na minha visão de economia ideal, o governo deveria apenas criar as bases para que empreendedores tragam soluções. Uma forma de capitalismo voltado ao bem estar de todos, gerando renda para a sociedade e premiando aqueles que assumem os riscos de mudar o mundo.

Um exemplo do que estou tentando exemplificar foi dado no Blog do Dr. Money, onde o mesmo trata de um caso de um grupo de médicos que abriram clinicas populares para atender a comunidade de algumas favelas no RJ. A ideia destes médicos é oferecer consultas médicas com valores de 40 à 60 reais. Essa atitude gera resultados positivos para quem investiu e arriscou o próprio dinheiro para criar o negócio e garante bom atendimento para pessoas que necessitam muito deste serviço.

Uma atitude como essa poderia eliminar impostos que são cobrados para investir em saúde pública, o que melhora o poder aquisitivo das pessoas e garante que as mesmas possam ter condições melhores de investir em tratamentos e consultas médicas. Um ciclo quase que perfeito.

O excesso de intervenções e a má gestão pública

Tais atitudes como descritas no Blog do Dr. Money acabam se tornando inviáveis muitas vezes por conta das excessivas intervenções feitas pelo governo. Além disso, os impostos e burocracia exagerada tornam a oportunidade de investir e criar negócios uma prática arriscada demais para quem quer empreender. Na visão de muitos, é o empreendedor que deixa de ganhar nas costas dos outros. Na minha visão, é toda a sociedade que deixa de ganhar com novos empregos, novos atendimentos e melhor atendimento.

Somado à isto temos a incapacidade administrativa dos governos, que não conseguem investir de forma adequada, não controlam os projetos em que investem, não atendem as necessidades básicas da sociedade e ainda geram custos desnecessários para o povo, já que, com a falta de serviços públicos de qualidade, é preciso tirar dinheiro do bolso (mais dinheiro neste caso) para pagar pelo serviço particular.

Infelizmente, sei que minha visão é mais utópica do que qualquer coisa neste mundo. Mas espero que com estas palavras você, caro leitor, possa vislumbrar um capitalismo que existe, mas que muito poucos praticam.

Ideias e Finanças

Ideias e Finanças

O Ideias e Finanças tem como propósito levar a informação a respeito de empreendedorismo e finanças para pessoas de todo o Brasil

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Os comentários estão fechados.

Outros artigos

O que realmente importa?

O que realmente importa?

Em uma época em que o ter é mais importante que o ser, onde as pessoas são avaliadas pelas suas posses e não pelo seu caráter em si, vem a pergunta de reflexão hoje...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.